sexta-feira, 29 de outubro de 2010

B a Bá.

Pode falar baixinho que eu ouço, mas se for para gritar e fazer uma revolução, me chame que eu ajudo.
Pode dizer coisas complicadas que eu entendo, mas se quiser desenhar, eu me encanto.
Cite frases que eu as termino, mas se tocar uma bela música eu sou todo ouvidos.
Se me contar um sonho eu viajo junto, mas se escrever um conto, eu prefiro.
Me levar em um jantar é algo fabuloso, mas um boteco com cerveja gelada me faz sentir em casa.
Me mostrar um álbum de uma banda bacana, uma foto bonita, me desejar saúde quando espirro, segurar minha mão para atravessar a rua, dizer um belo "bom dia", me mandar um cartão de final de ano, me ligar de madrugada, me contar um segredo, me convidar para tomar um sorvete, desejar boa sorte... ou só me dar um abraço em qualquer momento, já me faz muito bem.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Estava arrumando algumas coisas antigas e achei uma folha de sulfite com um texto que eu escrevi a algum tempo atrás. É uma mistura de trechos de músicas e coisa que talvez tenha saído da minha cabeça. :D
Não sei bem quando foi que eu escrevi isso, mas deve fazer muito tempo. xD
Ai está:


Tire daqui todos os sentimento que vão fazer eu estragar tudo, é como se eu soubesse (e eu sei!) que está tudo errado, e se eu sinto isso e acabo gostando? Eu sei... Nada sempre fica bem, mas não está ficando bem, sonhos que voltam e aparecem com a realidade (ninguém é como você).
Eu estou com tanta corda que vou me enforcar, assisto TV, mas meu cérebro não para de pensar naquilo, isso acontece todo dia, tudo parece que não tem sentido quando você para pra pensar, eu escuto lamentações de quase todo mundo. Parece que nada está bem e todos estão perdendo tempo com coisas inúteis, não me acorde nem quando o mundo acabar!
Eu sou uma dessas idiotas, melodramáticas, neurótica até os ossos. Eu declaro... Eu não me importo mais se eu estou me irritando e crescendo chateada, agora eu penso que eu estou doente.
Você é a razão para minha desgraça.
Qual é o premio de consolação? Dentro de um caixão 10% de desconto? Porque eu estou pensando em uma nova esperança? Aquela que eu nunca soube. Porque agora eu sei! Que é tudo aquilo que eu não queria.
Certifique-se do que faz, de forma sensata, você pode descobrir que a sua própria dúvida significa que nada houve. Você não pode ir forçando algo que simplesmente não é certo. Então não force nada, porque nada é certo!

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Resenha (ou quase) sobre o show do Green Day - 20 de outubro de 2010- Anhembi- São Paulo.


O título já avisa que é uma "quase resenha", afinal é praticamente impossível explicar e demonstrar o que foi o show mais esperado da minha vida. Foram anos esperando, e quando saiu oficialmente no site eu fiquei de boca aberta e sem nenhuma reação, ainda não tinha caido a ficha. Logo que saíram os ingressos eu fui correndo buscar uma excursão e consegui comprar a premium, foi um alívio quando peguei o ingresso e vi que meu sonho estava a alguns dias dali, e a partir de então comecei a contar os dias desesperadamente, olha que foram dias difíceis, não passavam nunca, uma semana antes do show comecei a contar as horas e via ansiosamente o esperado tão perto, e por incrível que pareça ainda não tinha caido a ficha. No dia 19 a noite foi tão longa quantos os meses que antecederam, quando meu despertador tocou eu ainda estava acordada sem quase piscar os olhos de ansiedade, me arrumei e ainda contava as horas. Fui a primeira a chegar no local de onde a excursão sairia, nessa hora tudo me passava pela cabeça, estava com medo de acontecer alguma coisa que me privasse de ver o show ou coisa assim, para meu desespero uma criatura chegou atrasada e nos fez perder uma hora de fila para ver de perto a banda dos meus sonhos. Mas tudo bem, fingi até bem meu desespero e passei por cima. Chegando no local do show, que era o Anhembi, me deparei com uma fila gigante, e quase cai aos prantos, temendo não poder ver nada do show com meu 1 metro e meio de altura. Mas fizemos algo que aposto que muito ser apaixonado pela banda deve ter feito, cortamos a fila na cara dura, simplesmente sentamos no meio-fio e esperamos a fila andar, quando começou a andar nos infiltramos e agimos normalmente, como se tivéssemos ficado lá o dia todo, ainda bem que ninguém resolveu linchar a gente e tal. Quando entramos no anhembi tinham poucas pessoas nos separando da grade, um alívio, mas mesmo tão perto não parava de contar as horas, além da ansiedade o que também falava alto no momento era o cansaço de quem acordou 3hs da madrugada e enfrentou uma viagem de 6hs, e o calor abafado de gente aglomerada, nessa hora me estresse estava nas alturas, para ajudar umas meninas tentaram se meter na minha frente, se elas não percebessem a minha cara de nem um pouco feliz com a situação e saíssem de fininho eu arriscaria ser carregada por um segurança, porque quando mete a minha banda favorita no meio "eu dou porrada 3x4 e nem me despenteio".
Mas tudo bem, eu aguentei firme, dei graças a Deus quando a banda de abertura entrou no palco, não gostei nem um do som deles por sinal, mas deve ter sido pela vontade louca de ver Green Day, juro que depois tento ouvi-los com mais calma. Quando eles falaram que seria a última música eu já não estava mais cabendo em mim de tanta alegria, e quando o "pink bunny" entrou no palco então? Eu estava em um estado de pura euforia, misturada com muitas outras sensações inexplicáveis, só lembro de ter gritado: "Cara! eu não acredito". Falei isso de empolgada, mas eu realmente não acreditava que estava tão perto!
Antes do previsto eles entraram no palco, isso para ver como minha contagem regressiva de horário foi totalmente fail, eles entraram tocando "21st Century Breakdown" e eu cantava com toda a minha força e vontade, e aguentando pra não cair com os empurrões e com a levada da multidão. Eu estava ali, já ouvindo "Holiday" e nem acreditando em tudo aquilo, o palco estava a pouca distância de mim, era tão perto que parecia mentira. Se eu for contar todas as músicas aqui eu ia falar o nome das 33 músicas e mais os covers que eles tocaram, mas vou poupa-los e falar que a sequência de "F.O.D., J.A.R., Stuck With Me, Dominated Love Slave, Paper Lanterns, 2000 Light Years Ago, Hitching a Ride e When I Come Around" foi a melhor parte do show, sem a menos sombra de dúvidas, em especial quando eles começaram a tocar Dominated Love Slave que é a minha música favorita. A pior parte foi lembrar que Time of Your Life era a música que fechava o show e começar a ouvir ela, nessa hora senti uma lágrima fujona, era o fim de tanto tempo de espera, eu juro que 3 horas de show foi quase nada, passou como se fosse um segundo.

Sai desamparada, todas as pessoas que foram comigo tinham desaparecido no decorrer do show e eu fui perceber isso só no final, mas na verdade eu não queria falar com ninguém mesmo, afinal, com todo mundo que eu falei reclamou de alguma coisa, foi reclamações desde o som até o calor, coisa que a banda não tem poder sobre. Fui com a maior angústia dentro do peito rumo ao ônibus da excursão e sentei para ver as fotos e tentar acreditar que aquilo tudo foi de verdade, mesmo depois do show a ficha ainda não tinha caido. Hoje o que resta são algumas fotos, bem mau tiradas e uma bandeira que comprei de um camelô qualquer.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Dia 25 – O seu dia, em grande detalhe.

Guardei essa postagem para um dia especial.
Hoje, exatamente 23 horas antes do show do Green Day... Não foi fácil meu dia, porque aguentar a ansiedade não é nem um pouco legal.
Para começar o dia acordei tarde, lá pelas 11 da manhã... levantei e fui direto ligar o computador para ver o email de confirmação da excursão e todos os avisos finais para o grande dia.
Depois, como uma boa dona de casa, fui lavar a louça e arrumar as coisas que estavam jogadas pela casa, o resto da tarde? Tentei fazer um trabalho de Artes, mas a ansiedade não deixou e fiquei brincando com os gatos, comendo salgadinho, arrumando o cabelo e coisa assim que fazem passar o tempo. Lá pelas 16hs fui tomar banho e me arrumar para ir pra aula, 18 e 30 peguei o ônibus e cheguei na escola exatamente 18 e 45, como todos os dias. Tive só 4 aulas e voltei pra casa, cheguei em casa 22 e 30 e estou aqui... escrevendo esse 'diário'.

Agora vou ir dormir porque amanhã tenho que acordar 3 da madrugada para 'o grande dia'.

Dia 24 – Seu lugar preferido.

Meu quarto.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

...Não consegue confiar em suas asas.

Engraçado como você joga um/dois anos da sua vida no lixo sem nem mesmo perceber, afinal hoje, quando olho lá atrás vejo que você nunca teve nada a ver comigo e que hoje, percebendo isso não consigo ter nenhuma lembrança que me faça tremer as pernas e ter calafrios. Não que isso seja a essência de uma relação, mas sem isso tudo, fica tão sem graça. É como quando você luta por um ideal durante um longo tempo e depois que consegue alcançá-lo vê que não era aquilo que você realmente esperava da sua vida. Eu fingi por muito tempo ter 'idade' o suficiente para aguentar de pé uma relação, deixar tudo o que tem de importante de lado, mas sou mais 'nova' do que imaginava, além de perder a melhor idade da vida (segundo os mais vividos) que são os 15/16 anos, eu chorei e sofri como gente grande sem nem ter um porque especifico.
Mesmo tudo tendo mudado, eu não sendo mais aquela menina que não trabalha e não faz nada da vida e você com um emprego decente, que não ganhe míseros 150 reais por mês, somos crianças o bastante pra tentar mostrar um para o outro que crescemos, que viajamos para fora do país, que namoramos e largamos de outras pessoas com a mesma facilidade de antes...

Agora me resta entender, porque é que mesmo sabendo de tudo isso eu continuo indo buscar informações de você, tentando saber como está sua vida, ligando na sua casa e desligando antes de você atender. Eu não entendo.

sábado, 9 de outubro de 2010

Dia 21 – Uma receita.

Então... Eu adoroooo cozinhar, principalmente se for pra fazer coisa que eu nunca fiz ou inventar alguma coisa. E hoje vou postar uma receita que eu adoro! Que é de Cupcake.



Você pode fazer a massa que quiser, pode até apelar para aquelas massas prontas que vendem no mercado e são super práticas, o truque fica por conta do chocolate que faz o bolinho derreter na boca, que é colocado dentro da massa, em baixo da decoração. :)
É bem simples, é só misturar chocolate (daqueles em barra) com creme de leite e colocar no micro-ondas até derreter. Depois de derretido é só abrir um buraco no bolinho e colocar a mistura dentro :)
Os enfeites vão da sua imaginação.

Eu tenho algumas dicas que vou dar depois das minhas experiências. Para o bolinho não ficar parecendo um sapo atropelado é só colocar a forminha de papel dentro de uma forminha de empadinha para assar. E uma coisa legal é usar a massa de bolo comum e colocar corante dentro e fazer a cobertura de uma cor que contraste, tipo massa verde e cobertura pink.

Bom, agora vou mostrar a foto dos meus cupcakes atropelados (pois ainda não tinha pensado em colocar uma forminha de empadinha para não ficar assim xD





Nas férias da escola, em uma viagem com a minha família, fomos para Morretes, mesmo com a chuva e o perigo da estrada da Graciosa. Logo que saímos de casa a chuva parou e em meio as nuvens podia-se ver alguns leves raios de sol, no meio do caminho, meu tio, contava histórias que eu sempre acreditava, mas hoje, sabendo que era invenção só penso que ele seria um bom escritor de contos ou coisa do tipo.
Bom, mas não é sobre os contos do meu tio que eu vou falar, porque uma viagem a Morretes possui outras tantas coisas que te deixam de boca aberta.
Como quando a gente chegou em um riacho, com pedras redondas e lisas, como se tivessem sido esculpidas uma a uma. A água era límpida e refrescante, foi lá que eu descobri o meu imenso amor por natureza, mesmo sendo tão urbana. Eu sentei em uma pedra bem grande e coloquei no chapéu da minha prima um punhado de pedras pequenas, fui empilhando elas até formar uma pirâmide, depois, tirando uma a uma e jogando na água para ver elas quicarem. Parece coisa boba, mas se eu morasse em um lugar assim, onde pudesse jogar as pedras ou amontoá-las eu seria uma pessoa melhor talvez. Todo mundo tem uma coisa meio esquisita por dentro e eu também tenho meu direito.
De qualquer jeito, aquela foi uma tarde que me faz até hoje entender o motivo da vida, e pensar em não desistir.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

domingo, 3 de outubro de 2010

Já não são mais os mesmos dias.

São alguns anos tentando entender isso. É como se cada palavra que tu cita me fizesse crescer mais e mais. E hoje, grande parte do que eu sou eu devo a você! Se isso é bom? Não sei. O que eu sei é que mais do que qualquer escola, qualquer ensinamento qualificado e coisas do tipo, é você que (ao seu modo) me faz aprender.


Você passou a ser uma pessoa 'normal', mas isso te faz mais estranho e obscuro ainda.Tomar um café na frente da praia, contar cara a cara sobre o que deu e não deu certo na sua vida, mostrar que além de tudo, é um ser fraco com amores, desilusões e alguns sonhos que hoje são sustentados com um sentimento que vai bem além do que eu achava que era e tudo isso não passa da mesma coisa que você sente nos momentos de tédio e solidão. Somos normais, mas diferentes desses que passam por aí, se achando superiores por serem iguais. Sendo que na verdade a máscara está neles, pois, nos momentos de angústia, matam e morrem, aos poucos, sendo que a saída está logo ali. Não sei de nada, mas quando percebo alguma saída dessa barreira vou correndo em direção dela. Sendo ela certa ou não.
Quando você disse que precisavam de alguém que te apoiasse eu entendi, porque as vezes a vida vai bem além dessas noitadas e dessas coisas que aos poucos te consomem. Em um dia você precisa demonstrar o ódio, mas no outro tudo o que você precisa é amor ou coisa que valha. Daqui a 20 você vai ter 60... e eu 40, quem sabe daqui a vinte eu entenda ainda mais, ou deixe de procurar entender.
Fiquei calada a última vez que te vi, esperando surgir alguma coisa para te falar... alguma coisa que não parecesse infantil, mas só agora vi que o que vale é não esconder isso que tem dentro de mim e que me deixa encantadamente infantil toda vez que te vejo. No fundo quero te estender a mão, dizer que já sou grande demais para entender o que passa com você e que se estivesse do seu lado quando alguém não teve, eu te ajudaria. Te ajudaria sim... quem sabe eu te contaria alguma fábula para te fazer descançar ou deixaria a fresta de luz no teu quarto para o escuro não te assustar, pois, mesmo com toda a infantilidade do mundo, eu sofro e sinto como qualquer pessoa normal.

Passei anos tentando escrever a coisa certa para você, mas percebi que a coisa certa é o que vem do coração. E isso, agora e hoje... só hoje. É o que eu penso. E pode ter certeza do que o que eu penso vem do coração.

Um talento seu.

Bom... na verdade nem sei bem se é um 'talento'. Mas como todo mundo deve saber que eu faço origami, monto o cubo mágico e desenho mangá.
Mas no momento não tenho nenhum desenho para mostrar, então... vou colocar uma foto de origami mesmo. xD