terça-feira, 23 de maio de 2017

Eu largaria tudo. Eu abandonaria minha casa, meu emprego, meus livros, abandonaria meus amigos, minha família, deixaria todo o meu passado pra trás, jogaria fora os jeans e os discos, agarraria forte na sua mão e com o outro braço puxaria todo seu braço para mais perto do meu corpo, fugiria sem documentos e sem previsão de volta, sem dinheiro e sem destino. Se fosse preciso e se me fosse pedido, te esperaria, cuidaria das nossas coisas e esperaria, cuidaria da minha saúde e dos meus cabelos, leria os melhores livros e estudaria um pouco sobre culinária e vinhos. Se você quisesse, estudaria sobre plantas comestíveis ou não, sobre decoração e até um pouco sobre tricô, se me mandasse suas medidas já teria tricotado suas meias e blusas. Aperfeiçoaria meus pudins e aprenderia a fazer o pudim perfeito. Largaria o cigarro, aprenderia mais sobre xadrez, trocaria o cristal pelo mascavo, beberia sociavelmente, não faria fofocas, dormiria 8 horas por noite, colocaria minhas contas em dia... ai, sabe, eu largaria tudo.

terça-feira, 9 de maio de 2017

Me contaram que você anda por aí meio triste e de cabeça baixa, não que você não fosse assim antes de me conhecer, você sempre foi um tanto quanto esquisitinho, mas eu só queria saber se está tudo bem com você. As vezes fico pensando se você ainda dança pela casa sem mais nem menos ou se da gargalhadas lembrando daquela vez que patinou no sabão em pó e caiu. Não quero que perca tua beleza mas também não quero que deixe de sentir minha falta na hora de dormir e nos domingos a noite.
Eu sei que ando meio sumida e tudo, mas vou te confessar que ainda fico meio balançada quando ouço aquele cantor que você gosta ou quando leio o livro de algum autor que sei que você curtia. É uma merda que por aqui ninguém saiba discutir literatura, é uma merda que só você saiba discutir literatura. Ainda estou aprendendo a aceitar isso, um dia consigo.
Não esquece de mim, tudo bem? Nem do meu cheiro, nem do meu olhar psicótico.
Eu não esqueço, tanto que ainda te abraço no frio, te dou aquele beijo na nuca antes de dormir e até te sussurro uns conselhos no pé do ouvido, mesmo sabendo que ouvir conselhos nunca foi teu forte.
Eu não estou com o intuito de escrever uma carta de despedida ou um bilhete clichê suicida. Só quero te pedir pra esperar a primavera chegar e correr pro quintal quando a chuva chegar, quero te pedir pra ir pra casa planejando fazer um jantar maravilhoso com alguma comida mirabolante que você faz e acaba ficando boa. Quero te ver lendo poemas e contos em voz alta e só parando pra dar mais um trago no cigarro, aliás, falando em cigarro, compra uma droga de uma carteira de marlboro e para de se privar de tanta coisa, para de viver uma vida onde ninguém reconhece o quão foda você é, para de se sacrificar tanto. Vai e escolhe a melhor Marta Rocha na padaria, porque eu sei que não vai ter alguém pra fazer isso por você. 
Eu não acredito mais no nosso reencontro, mas ainda guardo tudo com um tanto bem grande de carinho, tento não pensar nas merdas que você fez, mesmo as vezes sendo inevitável lembrar. É que no fundo, mesmo com tanta merda e tanto rancor, eu daria tudo pra chegar na nossa casa com a melhor Marta Rocha da padaria nas mãos.
Eu não quero que deixe sua pena e sua dó para mim, eu não quero e não vou aceitar, leva elas com você que não vai caber aqui. Você não estava lá quando as mangas da minha blusa já estavam ensopadas o suficiente para não conseguir mais secar o choro e a maquiagem borrada. Você fugiu quando meu soluço ecoava por todos aqueles corredores e mesmo assim eu fui embora de pé, sustentada apenas pelas minhas pernas, sustentada apenas por um corpo que muitas vezes parece insustentável e de todas as poucas certezas que tenho na vida, uma delas é a que sou suficiente, eu sou suficiente e consigo seguir em frente com uma dor que deveria ser nossa, mas você deixou que fosse apenas minha.
Eu cambaleei até a minha cama exausta ao chegar em casa, pensei em tudo o que te ofereci, tudo de bom e de ruim, pensei quais eram os motivos que te fizeram me deixar sozinha quando eu clamava baixinho para que você me desse um sinal qualquer de vida e aparecesse só pra me dar um beijo na testa ou perguntar se estava tudo bem.
Eu não quero sua pena e sua dó depois que eu esperei demais por você e você não pode me oferecer nada mais que o silêncio e seu sumiço. 
Cada milímetro daquela linha que eu transpassava no pano era pedaços do meu sentimento, enquanto você borda o tecido, sua cabeça está livre para pensar em milhões de coisas e você só precisa aprender a lidar com o que vem na sua cabeça, afinal, hora ou outra você vai pensar naquilo e adiar pensamentos é como se você fosse jogando eles em um quartinho escuro onde precisa entrar vez ou outra para procurar algo que está perdido, se o quartinho não está com a organização em dia, ao abrir a porta, tudo cai em cima de você... além do que colocou lá, ainda tem a sujeira e o bolor do tempo que passou, te cobre, te esmaga.
Enquanto bordava, me lembrava do vestido que usava no dia que precisei ir ao hospital, lembro que naquele momento pensei que nunca mais iria voltar a usar os vestidos do meu armário e que talvez fossem eles que estivessem me dando má sorte na vida. Esses pensamentos me lembraram que ao comprar vestidos novos, preciso escolher menos roupas de tom azul, azul sempre foi minha cor favorita e eu acabava abrindo o guarda roupa e enxergando só peças azuis.
Eu sempre gostei de azul e talvez isso também tenha alguma explicação, azul é a cor mais triste e simbólica de todas, Van Gogh era um tanto quanto azul, Virgem Maria usava um manto azul, na Moça com Brinco de Pérola quase não notamos o brinco e sim os tons azulados que compões a quase perfeição... quase perfeição. O que seria a quase perfe... Furei o dedo.
O vermelho conversa com o azul e o sangue que sai do meu dedo é o mesmo que sangra dos meus pulsos. Posso me furar e manchar todo o tecido, isso não é punição o suficiente para o que eu fiz quando resolvi trocar todos os vestidos do armário.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Caralho, que vontade de te ligar. Que vontade maluca que bate de repente de correr te encontrar, como eram aqueles dias em que íamos tomar quentão na feira de inverno. As vezes a vontade de ouvir tua voz é absurda que parece que vai me consumir, que vai me matar. Eu penso se você também sente isso e, se sente, como é que consegue ser tão forte? Será mesmo que sente?
Que vontade de te implorar mais uma vez para ficar comigo uma noite, mas todas as suas recusas me são motivos suficientes para não mais pedir. Eu leio textos nos tumblrs da vida e lembro que preciso ter auto estima e seguir em frente, vejo aquelas frases clichês de amor próprio e me sinto um fracasso. Porra, me da sua mão, me diz que essa dor aqui dentro vai sumir um dia, me promete que vai dar tudo certo um dia e deita na cama comigo pra falar por horas e horas sobre nada.
Caralho, que vontade de te ligar.

terça-feira, 25 de abril de 2017

Todos os dias da minha vida eu me pergunto: "-Será que um dia passa?". Eu queria ter certeza de que no mínimo um único dia na minha vida você não assombre meus pensamentos ou que simplesmente não acabe com minhas tardes de domingo, afinal as tardes de domingo sempre são desesperadoras e terríveis para mim desde que você partiu. Eu sigo tentando ser o mais forte que posso, uso suas desculpas esfarrapadas para me manter cada dia mais longe de você, tento lembrar dos momentos ruins e condicionar meu cérebro e meu coração a não te procurar desesperadamente por cada canto dessa cidade, me mantenho em constante equilíbrio, se me desconcentrar acabo caindo, mas mantenho também a minha fé, me espelho em casais que recomeçaram e são felizes, me espelho em pessoas que encontraram alguém que quis ficar e creio que um dia encontrarei alguém que fique e que tope a chácara, a lareira e as noites de verão contando estrelas... aqui chegamos em um grande problema, olha meus planos! Meus planos sempre rumam de encontro a você, meus planos ainda gritam por você. Faz um ano e três meses que você partiu e é como se eu nunca tivesse deixado de te esperar, mesmo lutando com todas as minhas forças para poder "seguir em frente".
Seguir em frente.
"Seguir em frente" é uma daquelas frases que me trazem más lembranças, foram inúmeras as vezes que você me disse que estava tentando "seguir em frente" mas eu não estava ajudando. Essa frase me dói mas eu tento também, eu tento seguir e vou dizer com toda a sinceridade do mundo, eu tento com todas as minhas forças. Quando passo por um lugar que me lembra você, viro a cara. Quando me falam sobre você, me finjo de surda. Quando penso em você, tento cantar uma música alegre para esquecer. O resumo da minha vida é tentar te esquecer e seguir minha vida.
Sua vida não tem mais lugar para mim, eu sinto e vejo por suas atitudes que seu amor já não é mais o mesmo e isso me faz chegar ao ponto de quase enlouquecer, eu queria entender porque é que alguém deseja tanto alguém que simplesmente não te quer mais? Eu me lembro de todas as vezes que você foi embora e desistiu de mim, lembro também de todas as vezes que eu te recebi de braços abertos novamente, lembro de como me doía, de quanto me fazia mal, de quanto eu precisava do seu amor e do seu amparo, mas você sempre vinha para ficar pouco. Você nunca quis e essa é a verdade que tentamos esconder. Lembro de uma vez que você disse que "precisava conhecer o outro lado do rio", como que me culpando por ter entrado nesse relacionamento e que se não conhecesse o outro lado do rio, nunca estaria satisfeito ao meu lado. Mas o amor não era para ser o bastante?
Você nunca quis estar, nunca quis ficar e eu fico esperando meu dia chegar, fico esperando o dia que minha vida vai para frente como a sua, fico esperando minha paz sem você, assim como você conseguiu.
Eu tenho um milhão de coisas bonitas para te falar, eu tenho mil declarações para te fazer, mas agora eu só queria ficar em paz.

terça-feira, 18 de abril de 2017

Ela costumava ser sua

Não é fácil lembrar, porque ambos sabemos que não foi isso o que eu pedi e todas as vezes que esse frio me trouxer lembranças de você, será difícil. O medo de não ter mais seu toque, não sentir mais seu gosto, o medo de não te encontrar em casa assim que eu abrir a porta.Eu vou te contar o que talvez você não deva se lembrar:

Ela costumava ser sua
Foi ela quem você escolheu para dividir a cama e suas séries favoritas
Ela é mentirosa
Ela falha
Ela tenta e ela foi até onde você permitiu que ela fosse, mas ela falha
Ela é confusa, mas é gentil
Ela sente a flor da pele
Ela falha
Mas ela costumava ser sua.